História

Charneca de Caparica

A Charneca de Caparica é uma das 11 freguesias do concelho de Almada e foi criada no dia 4 de Outubro de 1985. A Freguesia é a maior do concelho e uma das mais populosas, ocupando, com os seus 252 ha, cerca de 35% da área do município.

Em 1897 a Charneca de Caparica era referida como a povoação mais importante da Freguesia de Caparica, tanto em comércio como em população, com cerca de 530 fogos.

Após mais de 100 anos, a Charneca de Caparica é uma realidade bem diferente, com largos milhares de fogos, com uma população permanente de mais 30.000 habitantes e mais de 15.000 sazonais.

Fica situada próxima de Lisboa (15 km), das praias da Costa da Caparica (2 km).

Para além da enorme área urbana constitui património inestimável desta freguesia a Área protegida da Arriba Fóssil e a Mata Nacional dos Medos.

A Charneca de Caparica devido às suas origens de características rurais e pouco povoada, constituida por pinhais, matos, silvados e areais, acomodada para caçadas de montaria, não é rica em monumentos e factos históricos, parte dos quais se integram na história da Freguesia da Caparica de que a Charneca fazia parte.

A referência histórica mais antiga sobre a Charneca de Caparica respeita ao Convento da Cela Nova, mais tarde chamado de Nossa Senhora da Rosa.

Outra referência importante é a Quinta de Vale de Rosal, onde foi erguido em 1659 um cruzeiro em memória do Padre Inácio de Azevedo e outros mártires. Existem diversas referências ao vinho de Vale de Rosal, pela sua boa qualidade.

São ainda importantes: A Quinta de Cima, do século XVIII, Quinta da Regateira e a Ermida do Bom Jesus, Quinta de Monserate ou Palácio do Sola. Actualmente o Palácio encontra-se abandonado e parcialmente em ruína. Antigamente, neste Palácio, fizeram-se grandes espectáculos de teatro com os grandes actores Vasco Morgado e Laura Alves.

Sobreda

A Freguesia da Sobreda foi criada em 4 de Outubro de 1985 e estende-se para Norte até ao I.C. 20, a via rápida Almada – Costa de Caparica; para Sul até Vale do Rosal e Vale de Figueira; para Nascente contacta com as Freguesias do Feijó, Laranjeiro e Corroios; e para Poente até ao Arieiro e Lazarim.

Sobreda é uma palavra proveniente do latim “suber” que significa sobreiro. O nome da localidade passou por formas intermédias como ”subereta” e “suvereda”.

O Núcleo Urbano Antigo da Sobreda desenvolve-se a partir do Largo António José Piano Júnior, prolongando-se ao longo da encosta virada a Norte. A arquitectura habitacional é composta por casas térreas e de dois pisos, algumas das quais apresentam pequenos pátios e técnicas de construção tradicionais da arquitectura rural da região saloia.

O actual território da Sobreda foi, em tempos, zona rural dedicada à agricultura e, essencialmente, ao cultivo da vinha. Por este motivo, encontramos, ainda, muitas referências na toponímia a várias quintas entretanto desaparecidas como a do Guarda-Mor, do Outeiro, ou a Quinta do Convento.

Das diversas quintas que na Sobreda se constituíram, destacam-se algumas que mantêm ainda alguns elementos que remetem para a sua função de unidades de produção agrícola mas também espaços de recreio e lazer.

Ler 3562 vezes